blogares_crossfit

Custou. Escrever este texto demorou mais que o normal. A pretensão era publicar um manifesto. Mas você tem pressa. É preciso falar pra aquela amiga que está com pressão alta. É preciso mostrar pro seu pai que sofre de dores nas costas. E para sua irmã que está acima do peso – depois do segundo filho – e não vê luz no fim do túnel.
Sei que eles também têm pressa. E sei de outra: a resposta está aqui!

‘Cross’ o quê?

Juntos os alunos parecem uma horda. Correm em volta dos quarteirões ensandecidos. Falam o tempo todo ‘disso’. Alguns são irritantemente definidos, usam roupas coloridas (algumas de gosto duvidoso) outros comem coisas malucas (daquela tal dieta Paleo) falam de snatchs, jerks, cleans e mais um monte de termos que – só depois de um intesivão de inglês – são decifráveis. Eles suportam desafios que (nem pagando bem no Exército) os mais espertos topariam fazer.
Mas eles fazem, repetidamente e GOSTAM!
No ambiente não há espelhos. Isso causa estranhamento. Todo mundo treina junto. E fazendo polichinelo! (Mas isso não tinha ficado na aula de educação física?) Felizmente (ou infelizmente) Não! Definir o esporte é complicado até porque ele se renova a cada momento. A base foi cuidadosamente criada nos Estados Unidos utilizado técnicas aeróbicas, com levantamento de peso e ginásticos (e outras coisas que conto depois, rsrs). Senhoras e senhores: CrossFit, para os íntimos!

Oi? Mas por que fazer Crossfit!?

Eu era sedentária de carteirinha. Se você voltasse ao passado para me contar que um dia eu faria butterfly… Eu certamente lhe internaria. Lembro que comecei a me exercitar aos 20 anos, praticamente obrigada por um ex. Da história sobrou nada. Mas agradeço-lhe a insistência.
Onde quero chegar?
Quando o CrossFit apareceu por aqui, eu já estava razoavelmente “preparada” e, felizmente, foi amor à primeira vista. Mas, quem não está? E, pior, que está com birra por achar que é modinha?

Não. CrossFit não é modinha.

via @lahltn Thanks for forcing me to fitness extra hard today @n8jeffrey #friyay

Uma publicação compartilhada por CrossFit (@crossfit) em

Uma busca despretensiosa pela Internet nos abastece por meses de informações sobre transformações e evoluções cientificamente comprovadas.
CrossFit é para todos. E isso não se discute mais.
Tudo foi desenvolvido para ser o esporte mais diversificado e eficiente para desenvolver condicionamento.
Mães devem ser condicionadas. Bombeiros idem. Estudantes, analistas, médicas, enfermeiros, professores. Nerds. Todos. Sem exceção!
O ambiente é para promover a socialização. Não é catequismo. A gente sente no ar.
É uma comunidade: E você não ficará sozinho, meu caro (a).

Mas eu não quero ser atleta!

Ok. Nem eu (mentira). Permita-se visitar um box. Nas ‘caixas’ (que meu marido insiste em chamar de ‘academia’) existem certos instrumentos. O local está mais para um ginásio (fala se isso não é sensacional?). Mas basicamente você precisa de um tênis e do corpo. Seu corpo! Você é baixinho? Alto de mais? Gordo? Cheinha? Magrela? Idoso? Amputada? Criança ou idoso? Não importa. Você pode e deve fazer CrossFit!
Nos boxes, em que o espirito esportivo é flagrante, ninguém se importa com o que você se parece. Mas vão lhe notar quando você se superar! (Tem torcida… Aplauso… Que nem estádio de futebol. Experimenta, por favoooor!)
A ausência de espelhos ajuda a manter o foco no que importa: na aula e no quanto você vai dar de energia para completar uma tarefa.
Cada dia é uma. Algumas mais desafiantes que outras. Batizados de WODs (Workout Of the Day) são capazes de lhe transportar para as melhores brincadeiras de infância. Juro!

Construção da evolução

Para quem está começando: Tudo é bem adaptado. Na Ares isso é muito importante. É empregada uma metodologia que adequa o treino à qualquer tipo de condicionamento e limitação física.


O aluno é estimulado dentro da sua capacidade, de maneira personalizada, até a conquista da segurança necessária para execução de exercícios mais complexos.
Eu entendo que muitos iniciantes tenham essa bronca: Ser abandonado, sentindo-se incapaz de executar tantas coisas novas. Aqui tem disso não! Então: Chega junto!

Agende uma aula experimental gratuita!

Se você não gostar, ainda assim, pode sair pra tomar um Açaí na esquina. Mas duvido que você deixa de voltar! Porque vai fazer bem pra você!

Raquel Capanema
Jornalista, apresentadora de TV e Crossfitter de paixão.
Comente pelo Facebook
Compartilhar